Cume, arredores e mistérios do Monte Fuji

Monte Fuji visto da cidade de Fuji

Renato Alves (texto e fotos)

Símbolo do Japão, o Monte Fuji (ou Fujisan) tem 3.776 metros de altura. É o ponto mais alto do país. Também é famoso em todo o mundo por sua simetria e beleza.

O Monte Fuji foi representado em xilogravuras do século 19, como as de Hokusai (1790-1849) e Hiroshige (1797-1858), que publicaram as tradicionais séries denominadas Trinta e Seis vistas do Monte Fuji

Centro da cidade de FujiO Fuji fica no centro de Honshu, na província de Shizuoka (entre Tóquio e Kyoto), região de contrastes. Tem as maiores cidades do Japão na faixa costeira e conserva, no interior, os estilos de vida rural tradicional.

O Fuji é originário de um vulcão inativo desde 1707.  O cume da montanha é a borda da cratera do vulcão. O lugar fica sempre coberto de neve. No inverno, o branco gelado cobre todo o monte. É comum ele ficar imerso em nuvens baixas. Mas nos dias mais quentes, é possível vê-lo por inteiro, cercado pelo céu azulado.

Parque da cidade de FujiCinco lagos

As encostas mais altas do Fuji são formadas por cinzas vulcânicas soltas, sem vegetação ou rios. Ao pé do monte há os Cinco Lagos Fuji. Eles têm instalações de esporte e parques de diversão, além de opções de lazer e turismo.

O Lago Motosu é o mais profundo (está retratado nas notas de 5 mil ienes). O menor é o Shoji, muito procurado para pescarias. O Sai é o menos deteriorado e proporciona bela vista do Fuji. O Kawaguchi tem o acesso mais fácil e constitui uma espécie de centro comercial. Já no Yamanaka praticam esqui aquático e natação.

O monte visto da cidade de FujiSubida ao cume

O Fuji é considerado sagrado para muitos japoneses. Até pouco mais de 100 anos, apenas monges e peregrinos podiam subí-lo. Hoje é liberado a todos.  Mas as escaladas são permitidas somente em julho e agosto. Elas atraem cerca de 300 mil turistas ao ano, o que faz do Fuji a montanha mais visitada no mundo.

Tanta gente provoca congestionamentos perto do topo. Mas tudo no estilo japonês, sem tumulto. É só não perder o equilíbrio (não há em que se apoiar) e esperar a fila andar.

Nos arredores do Fuji há ainda belos lugares que devem ser visitados, como a Caverna de Vento Fugaku, a Caverna de Gelo Narusawa, o Mar de Árvores (uma antiga floresta), o Fuji-Yoshida (tradicional base de peregrinos, com pousadas e cachoeiras para oração antes da subida) e o Sengen Jinja, um dos principais santuários da região, dedicado à divindade da montanha.

O monte visto da cidade de FujiGrau de dificuldade

Há quatro caminhos para subir o Fuji. Eles são diferenciadas pelo grau de dificuldade.

O mais conhecido é a trilha Yoshidaguchi. Ela começa no quinto dos 10 estágios, em Kawaguchiko. A trilha Subashiri começa em Shizuoka até se encontrar com a trilha Yoshidaguchi, no oitavo estágio. A mais longa é a Gotenbaguchu. A mais curta, a Fujinomiyaguchi.

A subida é difícil, pois as cinzas vulcânicas se deslocam sob os pés como se fossem areia.

A partir do oitavo estágio, o visitante pode sofrer do Mal das Montanhas (náuseas e dores de cabeça), causado pelo ar rarefeito da altas altitudes. Nesses casos, a pessoa precisa descer imediatamente.

Estação de trem em Yokohama e Monte Fuji ao fundoComo chegar

De Tóquio: ônibus saem da estação de Shinjuku para o quinto estágio do Fuji. Fique atento ao fazer a reserva, já que algumas linhas vão só até Kawaguchiko, sendo necessário trocar de ônibus até o quinto estágio, de onde começa a escalada. Mais informações, horários e reservas: 03-5376-2222.

De Osaka, Nagoya e outras regiões a oeste do Monte Fuji: pegar o trem-bala (Shinkansen) até a estação de Shin-Fuji e, de lá, um ônibus até o quinto estágio, de onde começa a escalada. Informações e reservas de ônibus na região do Fuji: 0555-72-5111.

Leia mais sobre a subida ao Monte Fuji

Monte Fuji visto de Yokohama

Anúncios

Um comentário em “Cume, arredores e mistérios do Monte Fuji

  1. eeeeeeeeeeeeeee
    ar adddddddoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooroo estudar vulcoes.
    meu nome é mary potter e eu sou pesquisadora.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s