Dica de guia — Sevilha é cidade cinco estrelas

A cidade espanhola de Sevilha recebe cinco estrelas na pontuação do Guia As Melhores Cidades da Europa. O livro apresenta as principais atrações das 40 melhores cidades européias e as classifica segundo quesitos como gastronomia, romance e vida noturna.

Veja trecho do guia sobre as principais atrações de Sevilha e saiba mais sobre o livro:

O centro histórico de Sevilha é dominado por dois símbolos de poder e riqueza, o Real Alcázar e a Catedral, com sua emblemática Giralda — a torre de tijolos ricamente trabalhada. Perto daqui, a herança mourisca e judia de Sevilha se mantém ardilosamente viva nas ruas estreitas do Barrio Santa Cruz, a leste da catedral, onde se concentram os mais finos bares de tapas.

Ao sul da catedral, os edifícios construídos para a Exposição Universal de 1929 ainda são usados; estudantes se agrupam e cidadãos passeiam à sombra das frondosas árvores do Parque María Luisa, com sua grandiosa Plaza de España e seus dois museus. El Arenal, a oeste da catedral, outrora uma planície arenosa e fértil banhada pelo rio Guadalquivir, envolve a praça de touros de Sevilha e hoje é uma área ribeirinha com teatro, excelentes tapas e a fina arte do Hospital de la Caridad. Ao sul, as margens supervalorizadas de Triana concentram bares e restaurantes; as ruas secundárias escondem belos azulejos.

Um aglomerado de praças e ruas de comércio completa o centro velho de Sevilha (Centro), com igrejas barrocas nas ruas laterais. Perto daqui, a tranquila San Vicente abriga o fino Museo de Bellas Artes. Em La Macarena, ao norte, há simpáticos bares típicos, mercados animados e becos silenciosos que escondem conventos e igrejas gótico-mudéjar. Na ilha fluvial Isla de la Cartuja realizou-se a Expo 92.

Catedral e La Giralda
(Pl del Triunfo s/n, tel 954-214971, Seg-sáb 11h-18h (última admissão 17h); dom 14h30-19h (última admissão 18h). Seg-sáb 50 euros, grátis dom.)

No início do século 15, 150 anos após Sevilha ter sido tomada pelos cristãos, construiu-se uma catedral no lugar da antiga mesquita. O resultado foi Santa María de la Sede, um edifício gótico impressionante, repleto de tesouros artísticos em suas 50 capelas e com uma imensa estrutura central de cinco naves. O minarete da mesquita, hoje a soberba torre Giralda (um símbolo da cidade), foi mantido como campanário e pode ser escalado através de rampas; o bonito Patio de los Naranjos, a área mourisca das abluções, também permanece. O interior da catedral combina grandiosidade, amplidão e solenidade; externamente, é considerada a mais bela e importante catedral da Andaluzia.

Real Alcázar
(Pl del Triunfo s/n, tel 954-502323, www.Patronato-alcazarsevilla.es Out-mar ter-sáb 9h30-18h, dom 9h30-14h30; abr-set ter-sáb 9h30-20h, dom9h30-18h, última admissão 1h antes. 7 euros, estudantes grátis.)

O atual Alcázar deve a sua aparência mourisca (arcos em ferradura, estuque, caligrafia arábica e tetos em caixotão) não aos governantes mouros (pouca coisa restou desse período), mas aos reis castelhanos Afonso X e seu filho Pedro I. Além de palácio suntuoso e residência para os convidados da realeza espanhola, o Alcázar era uma fortaleza considerável, como se pode ver pelas paredes grossas quando se atravessa a vermelha Puerta del León. Por ela se chega a um grande pátio onde o entourage real se reunia para partir para as caçadas. Ele é dominado pela impressionante fachada do palácio principal dos reis de Castela (inscrições sobre a glória de Alá – Pedro I foi um homem espiritualizado – juntam-se a outras mais convencionais, em latim, que proclamam a grandeza real). À esquerda está o Patio del Yeso, uma das poucas estruturas mouriscas que ainda restam. Atravessando o pátio chega-se às dependências de onde Fernando e Isabel controlavam os negócios no Novo Mundo. Fernão de Magalhães planejou aqui a sua viagem, e há um importante retablo desse período da Virgen de los Navegantes. Há ainda um imenso jardim para se caminhar; ande por entre as árvores e aproveite para relaxar das caminhadas pelo frenético centro.

Museo de Bellas Artes

(Plaza del Museo 9, tel 954-221829, Ter 14h30-20h; qua-sáb 9h-20h; dom 9h-14h30. Grátis para cidadãos da UE, 1,50 euros para os demais.)

A maior galeria de arte de Sevilha, instalada em um pitoresco convento dos séculos 17 e 18, é visita obrigatória. Muito bem organizada e graciosamente despojada, guarda um tesouro incalculável de arte espanhola dos séculos 15 a 20, que inclui El Greco, Velázquez, Murillo, Zurbarán e um dos últimos retratos de Goya.

Barrio Santa Cruz

Onde antes vivia a maior parte da população judaica de Sevilha, o pitoresco bairro de Santa Cruz é hoje o mais charmoso da cidade: uma teia de ruelas só para pedestres interliga bonitas pracinhas com muitas laranjeiras e terraços floridos. Embora a área atraia muitos turistas, é fácil escapar deles. O bairro conta também com bons hotéis, restaurantes e lojas. Os locais de interesse são poucos, como a excelente igreja barroca Santa María la Blanca e o Hospital de los Venerables (tel 954-562696, diariam 10h-13h30, 16h-19h, 4,75 euros). O maior prazer é caminhar sem destino.

Ao sul da Catedral

Grande parte do sul da Catedral é tomada pela grande área verde do Parque María Luisa. Aqui foi realizada a Exposição Universal de 1929, com a qual o ditador Primo de Rivera esperava atrair os holofotes mundiais para Sevillha e a Espanha. O legado é um parque público e uma série de belas construções. A Plaza de España é um amplo espaço cercado de colunas, e o Hotel Alfonso XIII, a noroeste, é um dos mais suntuosos da Espanha. Ao lado, a Antigua Fábrica de Tabacos (C San Fernando 4, tel 954-551000, seg-sex 8h-20h30, grátis) é a fábrica de cigarros que, no século 19, foi imortalizada em Carmen; hoje é usada pela universidade. Dois pavilhões foram transformados em importantes museus: o colorido Museo de Artes y Costumbres Populares de Sevilla (Pl de América 3, tel 954-232576, ter 14h30-20h30, qua-sáb 9h-20h30, dom 9h-14h30, grátis para residentes na UE, 1,50 euros para os demais) e o rico Museo Arqueológico (Pabellón de Bellas Artes, Pl de América s/n, tel 954-232401, mesmos dados de funcionamento). Caminhar por esta parte da cidade é ter uma visão de um fascinante conjunto arquitetônico construído poucos anos antes de a Guerra Civil mergulhar Sevilha em décadas de miséria e monoculturalismo.

El Arenal

Construído no século 19, El Arenal abriga alguns dos principais marcos de Sevilha. A Torre del Oro (Paseo de Colón s/n, tel 954-222419, ter-sex 10h-14h, sáb-dom 11h-14h, 2 euros) é uma impressionante torre mourisca. Seu acervo é pobre, mas vale a pena ver as gravuras de Sevilha do final do século 16.

La Maestranza (Paseo de Colón 12, tel 954-224577, http://www.realmaestranza.com, diariam. 9h30-20h exceto dias de tourada (primavera e verão dom e a semana toda durante a Feria, quando abre 9h30-15h, 4 euros) é um dos templos das touradas na Espanha.

O Hospital de la Caridad (C Temprado 3, tel 954-223232, seg-sáb 9h-13h30, 15h30-19h30, dom 9h-13h, 5 euros ) é uma antiga enfermaria que abriga um notável acervo de arte sevilhana do século 17, como os trabalhos de Juan de Valdés Leal. O rio Guadalquivir constitui outra grande atração; embora não haja mais galeões partindo para o Novo Mundo, a área tem muitos bares ao ar livre, barcos de cruzeiro e canoas para alugar.

Triana

Triana é, para muitos, o que Sevilha tem de melhor. A movimentada região à Torre del Oro beira-rio, com sua longa sequência de bares e restaurantes, foi por muito tempo o bairro cigano e berço do flamenco na cidade (nas ruas paralelas ainda se encontram bares onde acontecem apresentações de improviso). Triana também é famosa pelas cerâmicas; a maioria dos azulejos que decoram as casas sevilhanas é produzida em seus muitos ateliês. É um lugar muito diferente do resto da cidade, e os trianeros ainda são um grupo social de poucas palavras. Muitos deles viviam nos corrales de vecinos, as casas erguidas ao redor de um pátio comum, das quais ainda restam algumas. Embora atualmente o movimento se concentre às margens do rio, caminhe pelas ruazinhas paralelas para ver o que Triana ainda preserva de sua história.

Anúncios

3 comentários em “Dica de guia — Sevilha é cidade cinco estrelas

  1. Muito bom ler esses comentários antes de ir lá.
    Estranhei que a entrada na Catedral de Sevilha e La Giralda seja 50 euros.
    É isso mesmo?

    Curtir

  2. Realmente Sevilla é uma cidade maravilhosa e muito especial.
    Seu povo, com a verdadeira alma espanhola é incrível. São comunicativos e alegres.
    Tive a maravilhosa experiência de ficar na casa de uma amiga, num bairoo mais afastado do centro, o que me proporcionou a possibilidade de conhecer relamente esse povo.
    Além de Sevilla, eu indico Córdoba. Uma cidade pequenininha, que pose ser visitada em 1 ou 2 dias. A visita à mesquita e à Giralda são impresindíveis.
    E tomar uma “caña” à beira do rio, em uma das “terrazas” no verão é a coisa mais deliciosa de tudo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s