50 anos — A pré-história

Nos pastos e plantações de algumas fazendas de Formosa (GO), homens, cavalos, bois e outros bichos pisam sob ferramentas fabricadas entre 4 mil e 12 mil anos atrás. Machadinhas, pontas de lanças e outros artefatos estão espalhados por propriedades rurais. E esses não são os únicos tesouros pré-históricos desprotegidos no município, distante 80km de Brasília.

Pinturas rupestres feitas pelos primeiros habitantes do Planalto Central enfeitam sete das 29 grutas catalogadas no território de Formosa. Os homens das cavernas também deixaram gravuras em dezenas de paredões e pedras encravadas no cerrado.

As pinturas das grutas de Formosa estão nítidas, levando-se em conta o desgaste sofrido ao longo de tanto tempo de exposição. Algumas foram feitas a até 7,5 metros do solo. A maioria tem um só tom: vermelho, laranja, vinho e preto. Poucas têm associação de duas cores.

As representações são variadas. Algumas gravuras se referem a animais, como tatus e veados. Também há marcas de pés, com quatro, cinco e seis dedos e desenhos primários de pessoas.

Mas há muitas gravuras ainda não decifradas pelos cientistas. Elas têm formatos geométricos e tradições astronômicas. Os pesquisadores supõem ser retratos do céu, das diversas constelações.

Expedições

Desde o fim do século 19, quatro expedições científicas visitaram as grutas e sítios arqueológicos de Formosa. A maior contribuição foi dada por arqueólogos goianos e cariocas que fizeram parte do Projeto Bacia do Paranã, da Universidade Federal de Goiás.

Por dois anos, na década de 70, eles exploraram as cavernas da bacia hidrográfica do rio Paranã. O resultado do trabalho deu origem à publicação de um relatório detalhado e único sobre a fase pré-cerâmica e de arte rupestre do Planalto Central, em 1977.

Os arqueólogos concluíram que, devido aos traços finos, os desenhos das grutas de Formosa foram feitos com instrumentos fabricados só para a arte, como pincéis de madeira. No caso das pinturas maiores, eles supõem que os homens das cavernas usaram os próprios dedos para fazer os contornos.

Já as tintas, à base do extrato de sementes, tinham formas variadas. ‘‘Na maior parte das sinalizações a tinta foi utilizada em estado pastoso e, só secundariamente, em estado sólido ou semi-sólido’’, descrevem os pesquisadores no relatório do Projeto Bacia do Paranã.

Oficinas líticas

O estudo também traz o primeiro registro de oficinas líticas na região. As oficinas são pontos com vestígios de ferramentas e utensílios fabricados pelos homens das cavernas.

Os pesquisadores encontraram 1.350 peças na área rural de Formosa. Os artefatos e fósseis humanos e animais coletados foram para o Museu Antropológico de Goiânia.

Desenhos como os das grutas de Formosa, no Brasil, foram encontrados somente em Sete Cidades, no Piauí. Eles também estão em outros continentes, o que intriga os pesquisadores, já que na pré-história não havia meios de comunicação e de transporte. Os homens ainda não usavam nem mesmo cavalos para se locomover.

Baixo-relevo

Além das pinturas rupestres, Formosa tem outras relíquias pré-históricas. Os homens das cavernas também deixaram pistas de seu cotidiano em diversos paredões. Mas, em vez de tintas, eles usaram ferramentas para desenhar em arenitos, uma rocha frágil.

As gravuras em baixo-relevo, classificadas como petroglifos no meio científico, têm as mesmas formas das encontradas nas grutas. Um dos pontos mais conhecidos com esse tipo de arte está a 65km de Formosa.

É preciso seguir pela BR-020 na direção de Fortaleza (CE). O sítio arqueológico fica na região conhecida como Bisnau. O acesso também é complicado, infestado de animais silvestres e só deve ser feito na companhia de guias.

No fim da tarde, com o sol se pondo, a sombra produzida no baixo-relevo destaca a forma da gravura com o contraste da pedra.

COMO CHEGAR

SÍTIO DO BISNAU

Entrada no Km 46 da BR-020,45km após Formosa. Após deixar a rodovia, siga de carro por uma trilha de terra. São cerca de 5m até a pedra. A visita é gratuita.

TOCA DA ONÇA

Pegue a GO-116, em direção ao Salto do Itiquira. Ande 2km pela rodovia asfaltada e entre no primeiro acesso à direita. São 7km até a porteira da Fazenda Pedra, onde ficam as grutas (foto abaixo). Para informações sobre guias turísticos e agendamento de visita, ligue 3631-4478. Preço da visita: R$ 10 por pessoa.

SAIBA MAIS

História da terra do homem no Planalto Central — eco-história do Distrito Federal, do indígena ao colonizador, de Paulo Bertran. Editora Verano, 2000, 270 páginas

Anúncios

11 comentários em “50 anos — A pré-história

  1. moro em formosa, a arquiologia e miuto rica, existem outros sitios arquiologicos serem descorbertos. existe um tipo doe gravura de 15 cm de cor branca. outro arquiologia rupestre de baixo relevo que e um pé,

    Curtir

  2. ai obrigado por quem deixo a resposta estava precisando é que o dever era parta amanhã !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    beijo na boca quem deixou

    Curtir

  3. Juliana, a tinta que usamos originou de rvores, plantas. O pau-brasil tinha valor porque dele se retirava tinta para tingir panos na europa, h 400, 500 anos. Portanto, muito antes, os ndios tiravam tintas de de sementes. Os pincis eram varetas, pedaos de madeira, ou mesmos os dedos.

    Curtir

  4. Ei,Como os pré históricos desenhavam nas cavernas ?

    quais materiais eles usavam ?

    Curtir

  5. valeuuuuuuuuuu!!!
    tava tentando fazer um trabalho de historia.
    fiquei mais de 10 dias procurando!!!
    valewz!!!!!!!!!!!!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s