I Festival Internacional de Cinema e Alimentação de Pirenópolis (GO)


Movimento que vem ganhando cada vez mais adeptos no mundo, o slow Ffod merece, desde o ano 2002, um festival de cinema inteiramente dedicado ao tema, realizado em Bologna, na Itália. São filmes de curta, média e longa-metragem, de grande qualidade e assinados por importantes diretores, que vasculham os diversos aspectos ligados à cultura slow food, que prega o retorno à tradição alimentar, à vida simples e em harmonia com a natureza. Agora, um evento com perfil semelhante chega ao Brasil.

O Slow Filme — Festival Internacional de Cinema e Alimentação, que acontece de 16 a 19 de setembro, na histórica Pirenópolis (GO), terá produções exibidas no Cine Pireneus, sempre com entrada franca. Acompanhando a programação, oficina infantil sobre qualidade alimentar, degustações e palestras sobre — entre outros temas — a riqueza alimentar de frutos e produtos do cerrado e o movimento slow food em Pirenópolis.

Durante quatro dias, será possível assistir a filmes que apresentam tradições e costumes de regiões tão distantes quanto Hungria e Irã, Sérvia, Itália e Dinamarca. Logo na abertura, o lançamento de Ouro Negro da Floresta, um documentário inédito de Delvair Montagner que percorre todo o caminho do cultivo do fruto do açaí, no Pará.

Do Brasil também será possível assistir a Seu Bené vai pra Itália, documentário de Teresa Corção e Manoel Carvalho sobre um pequeno lavrador paraense considerado referência na fabricação da farinha de mandioca. Durante toda programação, haverá a exibição de alguns dos filmes premiados no evento italiano.

LEIA MAIS SOBRE TURISMO EM PIRENÓPOLIS

A intenção é proporcionar um contato com este universo cinematográfico, que alia imagens e sabores. Oferecer uma mostra feita de grandes obras de renomados realizadores, promover degustações e palestras abertas ao público.

A ideia é agregar crianças, jovens e adultos em torno do tema, chamar a atenção para a riqueza dos frutos e dos produtos da região, para seu uso ser ampliado, além de reafirmar a vocação de Pirenópolis para eventos de cultura, gastronomia e turismo.

Polo gastronômico

Pirenópolis já possui um importante polo gastronômico ligado à cultura slow food, com locais abertos à visitação como a Fortaleza do Baru, o Santuário Ecológico do Vagafogo, a Fazenda Babilônia e vários outros. Durante o festival será possível conhecer o Circuito Slow Food de Pirenópolis, com sugestão de percursos a serem feitos na região para o contato com a cultura slow food.

Nas telas, estarão projetadas filmes como Terra Madre, do mestre italiano Ormanno Olmi (o mesmo do clássico A Árvore dos Tamancos), que assina um documentário sobre o movimento crescente de pessoas que lutam pela preservação da biodiversidade.

Também o belíssimo trabalho do diretor português Jorge Pelicano, no filme Ainda há pastores? que vai à Serra da Estrela para saber como ainda é produzido o queijo da região, famoso em todo o mundo.

Há ainda animações divertidíssimas (como BackwardsHamburger, que mostra todo o caminho percorrido por um simples hambúrguer, da vaquinha ao pão), belas e emocionantes ficções, que usam a preparação do alimento como pano de fundo para relações afetivas (o holandês Basil & Nettles e o sérvio Somos aquilo de perdemos) e documentários que falam de um estilo de vida que vem sendo perdido pela crescente globalização (o húngaro The Prayer e o italiano Uno Degli Ultimi), além de vários outros estilos e propostas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s