Um dia em Colônia do Sacramento

Eliane Moreira (texto) e Renato Alves (fotos)

Estrategicamente localizada às margens do Rio da Prata, Colônia do Sacramento, no Uruguai, já foi alvo de disputa entre nações. Espanha e Portugal revezaram-se no comando da cidade — fundada pelos lusitanos em 1680 —, em conflitos que só terminariam definitivamente um século depois, em 1777, quando os hispânicos finalmente a incorporaram ao seu domínio.

O conflito foi bom para Colônia. Do período de ocupação pelos dois povos, a cidade herdou ruas de pedra, casas de barro, fortificações, (quase) tudo muito bem preservado. Hoje, quem invade a cidade são os turistas.

Distante 177km da capital uruguaia, e a apenas uma hora de barco da Argentina, Colônia vem se mostrando uma ótima opção de passeio bate-volta para quem viaja a Montevidéu ou a Buenos Aires.

Mas o charme e a gastronomia dessa cidade valem ao menos uma noite para quem tem mais tempo de folga. A rede hoteleira conta com opções variadas, de albergues a hotéis cinco estrelas. E a imensa riqueza histórica e arquitetônica rendeu a Colônia o título de patrimônio da humanidade, declarado pela Unesco em 1995.

O centro histórico concentra a maior parte das atrações. Por isso, assim que deixar um dos barcos vindos de Buenos Aires, não se renda às dezenas de vendedores oferecendo aluguel de todo tipo de veículo. A melhor forma de conhecer Colônia é caminhando, explorando cada praça e viela de sua parte mais antiga.

Muralha

Erguido à época da colonização portuguesa, o Portón de Campo dá boas-vindas aos visitantes no centro histórico. Inaugurado em 1745, servia de porta de entrada à cidade muralhada. Mantém pilares de pedra, muros e ponte conservados por restaurações.

Infelizmente, da Capela e do Convento de São Francisco só sobraram ruínas — nem por isso menos importantes, por serem essas as edificações mais antigas de Colônia (a construção data de 1683).

Após um incêndio destruir o convento, ergueram um farol no lugar, de onde hoje os turistas têm uma vista panorâmica da cidade.

Também de grande valor histórico, a Basílica do Santíssimo Sacramento, igreja matriz de Colônia, é a mais antiga do Uruguai. A obra começou em 1695, embora tenha sido reconstruída tantas vezes que perdeu muito de suas características originais.

Para dar conta de tanta história, os museus de Colônia mantêm acervos com peças originais e réplicas do período colonial.

O Museu Espanhol narra o período do domínio hispânico.

Já o Museu Casa Nacarello, ao lado do Museu Municipal, representa uma típica casa portuguesa da época da fundação da cidade.

Há até um museu indígena, com objetos pertencentes às tribos que habitavam a região.

Para visitá-los, basta adquirir um ingresso único, que dá acesso a todos os museus, e escolher aqueles que interessarem. Ele pode ser comprado na porta desses locais.

Lampiões

Quem anda pelas ruas de Colônia tem a impressão de ter entrado em um túnel do tempo. Carros antigos, porém conservados, ainda circulam pelas ruas. Lampiões substituem postes. Casas de pedra e barro resistem à arquitetura moderna.

Especialmente na estreita Calle de los Suspiros, ou Rua dos Suspiros, em bom português.

A rua, endereço atual de lojinhas e ateliês, é uma das poucas que mantêm o calçamento original e um dos cartões-postais mais famosos de Colônia. Há várias teorias sobre seu nome. Uma delas conta que os suspiros eram dos condenados à forca, executados ali.

Outra versão, mais ousada, diz que o lugar era refúgio de prostitutas, que suspiravam ao exercerem seu ofício com os marinheiros que aportavam na cidade, sedentos por diversão.

Certeza mesmo, só se pode ter dos suspiros ouvidos hoje: são os turistas, admirados com a beleza de Colônia.

Se durante o período de ocupação estrangeira Colônia era invadida pelas antigas naus portuguesas e espanholas, hoje iates e barcos esportivos atracam aos portos da cidade. Em algumas épocas do ano, os píeres têm sua capacidade ultrapassada. Também pudera: dos portos se vê o por do sol mais bonito da cidade.

Delícias

Tapas, mariscos, paellas, pescados, parrilladas. As culinárias do Uruguai e do mundo estão presentes em Colônia. E o que não faltam são agradáveis restaurantes para degustá-las.

Um dos mais disputados pelos turistas é o excêntrico El Drugstore (Calle Vasconcellos, 179). Quadros e paredes coloridas, boa música e um cozinheiro que prepara os pratos na frente dos clientes fazem deste restaurante uma parada obrigatória, nem que seja só para fotos. Do lado de fora, além de mesas ao ar livre, pode-se fazer as refeições dentro de um carro antigo, adaptado para esse fim.

Além dos restaurantes que oferecem a comida típica do Uruguai, há também tradicionais pizzarias e casas de massa. Seja qual for a escolha, vale lembrar que o país produz vinhos de qualidade e as excelentes cervejas Patrícia e Norteña.

COMO CHEGAR

Partindo de Montevidéu, pode-se alugar um carro ou optar pelos ônibus intermunicipais que saem regularmente com destino à Colônia. 

No site da empresa COT (www.cot.com.uy) pode-se consultar os horários de partida. A viagem dura cerca de duas horas e meia.

De Buenos Aires, a melhor opção são os excelentes barcos (buques) que partem diariamente rumo à Colônia. Alguns levam veículos, além dos passageiros.

A travessia nos barcos rápidos leva uma hora. Já os barcos lentos fazem o trajeto em três horas.

Três empresas operam a rota, e os bilhetes podem ser adquiridos com antecedência pela internet: Buquebus (www.buquebus.com), Colônia Express (www.coloniaexpress.com) e Seacat (www.seacatcolonia.com).

ONDE FICAR

Embora muitos visitem Colônia num bate-volta de Buenos Aires ou Montevidéu, passar a noite na cidade pode ser bastante agradável. A rede hoteleira conta com opções variadas, de albergues a hotéis cinco estrelas.

Radisson Hotel Colônia Del Sacramento (www.radisson.com/coloniauy): Tarifas a partir de US$100

Posada Del Angel (http://www.posadadelangel.net/): Tarifas a partir de US$ 75

Hotel Plaza Mayor (www.posadaplazamayor.com): Tarifas a partir de US$ 110

Posada de La Flor (www.posada-delaflor.com): Tarifas a partir de US$ 65

Colônia Suíte (www.coloniasuite.net): Tarifas a partir de US$175 

MOEDA

O peso uruguaio é a moeda local, mas a maioria dos estabelecimentos aceita peso argentino e dólar.

Anúncios

3 comentários em “Um dia em Colônia do Sacramento

  1. dá vontade de fazer as malas… belíssimo lugar!!
    só um detalhe: o link da posada del ángel vai para um hotel na Guatemala. O certo mesmo é posadadelangel.net!

    =]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s