Opções de hospedagem barata em Brasília

Hostel7

Gizella Rodrigues

Enquanto os hotéis reajustaram os preços dos leitos disponíveis para o fim de semana da Copa das Confederações, os turistas que pretendem vir à Brasília para assistir o jogo entre Brasil e Japão e ainda não reservaram um lugar para ficar terão dificuldades para encontrar opções menos salgadas. A oferta de hospedagem alternativa na capital ainda é pequena e a tarefa de encontrar um teto para dormir não será fácil, especialmente para quem não tem as portas de casas de parentes abertas ou não quer pagar uma fortuna nos poucos quartos que restam vazios na rede hoteleira do Distrito Federal. Com uma boa procura, principalmente fora dos dias da competição, é possível se hospedar em Brasília por menos de R$ 100 por dia.

Hotéis ainda com vaga chegam a cobrar cinco vezes mais pela estadia no fim de semana de 15 de junho em comparação com os fins de semana anteriores ou seguintes à competição. Em alguns estabelecimentos, a diferença passa dos 200% e chega a R$ 562, em média. Com a alta nos preços, resta ao visitante procurar por opções mais distantes do centro de Brasília ou com menos luxo e conforto. As principais alternativas são os albergues, um tipo de acomodação destinado especialmente para os jovens e muito popular entre os estrangeiros.

Hostel7

Brasília tem duas opções, uma delas inaugurada há apenas 20 dias. O hostel, como os albergues são chamados no exterior, fica na 708 Norte (fotos) e tem 38 leitos em quatro quartos coletivos, um deles destinado a mulheres prioritariamente. Dentro de todos eles há um banheiro que é partilhado pelas oito pessoas hospedadas — é comum que o banheiro em hostels fique fora do quarto e seja compartilhado pelos hóspedes de um andar inteiro.

Hostel7A ideia de montar um hostel em Brasília surgiu de um grupo de cinco amigos de infância que viajaram pelo mundo e sempre preferiu essa opção de hospedagem. “Eu já viajei por cinco continentes, visitei mais de 15 países. Pegamos a experiência de tudo que vimos por aí e juntamos o de melhor aqui”, conta Aurélio de Paula Guedes Araújo, 30 anos, um dos sócios. “Este é o primeiro hostel com os padrões internacionais cadastrado no hostelworld. Toda grande cidade tem um hostel e Brasília não podia ficar de fora”, acrescenta.

Desde que abriram as portas, os amigos já hospedaram 70 visitantes, 40% deles gringos. Eles cobram R$ 90 pelo leito, o que inclui café da manhã e wifi. Para 15 de junho, aumentaram a diária para R$ 120 e 85% do hostel já está ocupado. “Só aumentamos no dia mesmo e não todo o final de semana. Vamos transmitir o jogo e dar uma opção para quem não conseguir ir ao estádio. Queremos dar uma opção para que as pessoas possam vir para Brasília sem se preocupar tanto com dinheiro. Porque, hoje, ou ela vai para um hotel caro ou fica em uma pousada que cobra por hora e funciona como motel”, afirma Aurélio.

A outra opção é o Albergue da Juventude que fica no antigo camping, atrás do Palácio do Buriti. Filiado à rede Hostelling International, o albergue tem 93 leitos, todos separados por sexo. O banheiro também é dentro do quarto. A maioria das pessoas que se hospeda ali são estudantes, que vêm à capital em grupos para participar de eventos escolares ou fazer turismo cívico, e as acomodações são ainda mais simples. O albergue cobra R$ 50 de quem é inscrito no movimento alberguista. Para a Copa das Confederações, ainda não houve reajuste, mas a direção quer elevar os preços em 20% ou 30%. “A Federação dos Albergues da Juventude do Brasil ainda não confirmou o reajuste. Mas quem já reservou não vai pagar mais”, afirma o gerente do local, Hebert Pacheco de Sousa. Cerca de 40 reservas já foram confirmadas para a Copa das Confederações no local.

Quem prefere privacidade e não quer dividir quarto com desconhecidos, pode apostar no aluguel de quitinetes ou flats por temporada. Em uma pesquisa nos sites especializados, é possível encontrar pequenos apartamentos por cerca de R$ 200 a diária. A maioria deles não seguiu o reajuste dos hotéis, mas, em compensação, exigem estadia mínima que varia entre três noites e uma semana. Há flats, no entanto, que estão cobrando R$ 2 mil para acomodar duas pessoas no fim de semana do dia 15.

A família de Ana Brada tem 11 apartamentos no Jardim Botânico e todos eles estão alugados, nove para o fim de semana da competição. Os hóspedes chegam dia 13 e vão embora dia 16 e, os que reservaram apartamentos para duas pessoas, vão pagar R$ 120 por dia, preço de alta temporada (na baixa estação, o valor cai para R$ 100). Ela exige, no mínimo, três noites de hospedagem para alugar os imóveis, mas negocia os valores. “Quem quiser ficar só uma noite, paga as três noites pelo menor preço, ou seja, R$ 300. É o máximo que posso fazer. Acho o aluguel por temporada uma boa opção, barata e que dá muita liberdade para o hóspede”, diz.

Na pousada de Ricardo do Monte Rosa, no Lago Norte, ainda há vagas. Ele mora em uma chácara do Núcleo Rural Jerivá, na MI 2, e construiu 10 apartamentos que aluga por temporada no local. Normalmente, ele cobra R$ 220 por diária e exige o mínimo de três noites para a hospedagem. Na Copa das Confederações, vai cobrar 50% a mais. “O preço ainda tá melhor do que dos hotéis, principalmente se for levado em consideração o que ofereço. Os apartamentos são cercados de mato, mas ficam dentro da cidade e são sofisticados”, argumenta.

Bed and breakfast

Até a Copa do Mundo de 2014, duas novas opções de hospedagem alternativa devem começar a funcionar em Brasília. A Secretaria de Turismo do DF espera cadastrar 375 moradias que poderão servir de hotel para quase 4 mil turistas durante o torneio do ano que vem.

O Programa de Hospedagem Cama e Café é inspirado no Bed and Breakfast, famoso no exterior, e permite que o visitante alugue quartos em residências de famílias da cidade, o que, no DF, será intermediado pelo governo. O proprietário da casa deve oferecer café da manhã e limpeza e cada quarto pode ter entre uma e três camas.

Além disso, o GDF vai construir um camping de 40 mil metros quadrados próximo ao Jardim Zoológico. O investimento total será de R$ 2 milhões. O espaço vai ficar dentro de um parque, o Parque das Aves, e será gerenciado pela Setur, que está terminando o projeto do local para poder licitar a obra, que fica pronta em seis meses.

A promessa é que o camping esteja funcionando na Copa. O secretário de Turismo do DF, Luis Otávio Neves, não considera o DF ofereça poucas alternativas de hospedagem. “Temos bons hotéis, inclusive fora do Plano Piloto onde os preços são mais baixos, tem os albergues, vai ter o cama e café. Brasília tem boas condições, não vamos deixar ninguém na rua”, afirma.

Um comentário em “Opções de hospedagem barata em Brasília

  1. Minha indicação pra quem quer conforto, qualidade e preço justo (hotel 4 estrelas), é o Hotel Saron – Águas Claras! Precisei ficar em Brasília 1 semana e quando fiz a cotação dos hotéis, achei um absurdo pela qualidade que ofereciam. Um amigo de trabalho me indicou este hotel, que é top! Fica a 40 minutos do Aeroporto e num lugar tranquilo.
    É um Hotel completo, com todo o conforto que se espera de um 4 estrelas e o atendimento é nota 1000! Pra quem precisa se hospedar em Brasília, é a melhor opção😉

    http://www.hotelsaron.com.br/

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s