Equador: surpresas em alto-mar

Isla de la Plata

Thalita Lins

O litoral equatoriano guarda um tesouro natural a poucos quilômetros da pacata vila de pescadores Puerto Lopez: a Isla de la Plata, também conhecida como Pequena Galápagos. Já no trajeto de barco entre o porto e a ilha, o visitante é surpreendido com um show em alto-mar. Se o condutor da embarcação que o leva até a reserva do Parque Nacional Machalilla interromper a viagem no meio do caminho, quando já não se vê mais a praia do horizonte, prepare-se, é hora de o espetáculo começar.

Isla de la Plata
Dali em diante, os olhos devem ficar atentos a cada pedaço do mar e as câmeras posicionadas para eternizar o movimento do animal que se exibirá em breve. Quando menos se espera, uma enorme baleia jubarte emerge do Oceano Pacífico e faz uma sequência de saltos e deixar qualquer um boaquiaberto. Depois do grande show, é hora de seguir viagem em direção à pequena Galápagos — região mais acessível economicamente ao bolso do viajante.

No acesso à ilha, o turista é recebido por pelicanos e tartarugas marinhas. De longe, a topografia dela se assemelha à da verdadeira Galápagos. Além disso, ela é povoada por espécies que também habitam lá. Mas, ao contrário do arquipélago, a Isla de la Plata não tem origem vulcânica e já foi parte do continente.

Isla de la Plata
O piquero de patas azuis é uma ave comum também nessa região. É interessante observar acasalamento desses animais. “Eles bailam na hora de escolher uma companheira. Exibem-se com um pedaço de graveto na boca. Eles não são monógamos. Na próxima temporada, vão à procura de outro par”, explicou o guia Anución Gonzalo. Após uma trilha pela ilha, os visitantes são convidados a praticar snorkel nas águas de tons azuis do Pacífico, cuja profundidade chega a 30 metros. Aquela área também é ideal para quem quer ir mais fundo e fazer um mergulho com cilindro.

Isla de la Plata
Ondas

A caminho de Guayaquil, o visitante passa por Montañita, praia que fica na província de Santa Helena. Lá, as atividades esportivas são intensas, assim como o turismo. A depender do ponto, o mar é bravo e perfeito para os que se aventuram em cima de pranchas de surfe. Aliás, o principal motivo que atrai os turistas são as ondas. Montañita é a capital desse esporte no Equador.

Já em Guayaquil, uma das principais regiões econômicas do país, vá ao bairro Las Peñas, área mais antiga da cidade e onde estão concentrados os artistas da região. Uma escadaria com 444 degraus leva o turista até o ponto mais alto da cidadela, no qual há um farol. Os casarios coloniais, charmosos e coloridos, foram escolhidos por muitos intelectuais para abrigar ateliês.

Guayaquil
Homenagem a Olmedo

Uma das figuras mais importantes da história equatoriana, principalmente, no período de independência e no início da república recebe homenagens por vários lugares do Equador. José Joaquín de Olmedo, nascido em Guayaquil, chegou a ser vice-presidente do Equador, em 1830, mas renunciou devido a divergências com o então presidente Juan José Flores. Na cidade natal de Olmedo, uma estátua feita na França foi colocada às margens do rio que corta a região como tributo ao político.

 

Veja também: Na metade do Planeta