10 cafeterias imperdíveis mundo afora

Nômades Digitais

Precisa se alimentar, relaxar, encontrar os amigos ou trabalhar? Cafeterias costumam ser lugares aconchegantes e inspiradores e, mais do que servir cafés, funcionam como pequenos refúgios na cidade.

Assim como você tem músicas, livros e tipos de espresso favoritos, é provável que você tenha sua cafeteria favorita na cidade em que mora e dificilmente frequenta os demais cafés. Mas quando for viajar, leve esta lista consigo e tenha a garantia de que irá passar por cafeterias simplesmente incríveis.

Elas até podem não fazer bem o seu estilo e podem não se tornar as suas favoritas, mas com certeza vale a pena conhecê-las.

1. The Grounds of Alexandria, Austrália

O que antigamente era uma fábrica de tortas se transformou em um charmoso café. Não só o ambiente é bonito e aconchegante, como os cafés são realmente especiais. Há uma sala para pesquisa e testes de grãos, que vêm de países como a Colômbia, Etiópia, Uganda e o Brasil. No terraço, vegetais e ervas são cultivadas por um especialista e são utilizadas na composição de pratos da própria cafeteria.

TheGrounds1

Cafeterias para visitar

Fotos © The Grounds

2. The Vintage Emporium – Londres, Inglaterra

Nostalgia é a palavra certa para descrever esta cafeteria. Além dos cafés, antiguidades são especialidade da casa e também estão à venda. No estilo vitoriano, o local abriga uma centena de objetos antigos, que vão desde vitrolas até sapatos.

Cafeterias para visitar

Cafeterias para visitar

Fotos © A Cat of Impossible Colour

3. Hotel Central & Café – Copenhagen, Dinamarca

Trata-se de um hotel e um café. Contudo, o hotel só oferece um quarto e o café cinco cadeiras. Sem dúvida alguma, este é o menor e mais curioso hotel-café da cidade.

Cafeterias para visitar

Cafeterias para visitar

Fotos © Yvonne Konné

4. Balzac’s – Toronto, Canadá

A antiga fábrica foi transformada em um café no estilo parisiense. Do charmoso lustre ao estilo das mesas, tudo faz você lembrar da iluminada Paris.

Balzacs1

Cafeterias para visitar

Fotos © Balzac’s Roasters 

5. La Distributice – Montreal, Canadá

Diferente da cafeteria dinamarquesa, aqui não há sequer cadeiras. O La Distributice é tido como a menor cafeteria da América do Norte e serve apenas cafés para viagem.

Cafeterias para visitar

Cafeterias para visitar

Fotos © Caffeinated by Design

6. The Lily Vanilli – Londres, Inglaterra

No estilo antigo, esta pequena padaria e cafeteria é principalmente conhecida por seus cupcakes.

LilyVanilli1

LilyVanilli2

Fotos © Lily Vanilly

7. L’oisiveThé – Paris, França

Esta é uma casa de chás, mas é tão charmosa e encantadora quanto as demais cafeterias da lista. Além de servir bebidas quentes, a loja funciona como um armarinhos e vende tudo o que você precisa para fazer tricô e afins.

cafe7

Cafeterias para visitar

Fotos © Chiffon Brodeuse

8. Little Nap Coffee Stand – Tóquio, Japão

Se você estiver no Japão e quiser sentir um gostinho dos Estados Unidos, esta é a cafeteria certa para ir. O design industrial, com chão de madeira de demolição e detalhes em metal, definitivamente não é um ponto contra no conforto do lugar.

Cafeterias para visitar

Cafeterias para visitar

Fotos © The Fox is Black

9. Snickarbacken 7 – Estocolmo, Suécia

Esta cafeteria fica um pouco escondida, na frente de uma galeria de arte. Os especialistas em café que lá trabalham adoram falar sobre grãos e compartilhar conhecimento.

Cafeterias para visitar

Cafeterias para visitar

Fotos © T Magazine

10. Le Coutume Café – Paris, França

Considerada uma das melhores cafeterias da Europa, o Café Coutume investe nos mais diferentes tipos de grãos e cafés: um prato (ou xícara!) cheio para quem gosta de experimentar.

Coutume

Cafeterias para visitar

Fotos © AA13

Os aeroportos mais divertidos do mundo

Máquinas caça-níqueis no aeroporto de Las Vegas (EUA).
Máquinas caça-níqueis no aeroporto de Las Vegas (EUA).
Do El Pais
A espera em um aeroporto costuma ser um dos momentos mais entediantes na hora de viajar. Que o diga Viktor Navorski, personagem interpretado por Tom Hanks em O Terminal (2004). Teria se desesperado a tal ponto caso tivesse disponível uma onda artificial para surfar? Ou um circuito de golfe? Ou algumas máquinas caça-níqueis? Existem aeroportos que poderiam ter oferecido essas amenidades. O JFK, de Nova York, no qual o personagem acaba preso sem poder retornar ao país de origem, pode até oferecer bares, restaurantes e muitas lojas, mas nada muito extravagante.

1. A corrida do ouro

LAS VEGAS

O aeroporto de Las Vegas (EUA) não é o único no qual podemos jogar, mas com certeza é o mais emblemático. Se você não puder esperar para chegar ao Caesar’s Palace, ou se quiser fazer suas últimas apostas, este aeroporto oferece 1.234 caça-níqueis. Para fazer você se sentir na cidade do pecado, assim que pisa nela. Viva Las Vegas.

2. Surfando entre aviões

MUNIQUE

Não é a onda de Mundaka, mas estamos em um aeroporto em plena Baviera (Alemanha), por isso não se pode exigir muito. Há cinco anos, o aeroporto de Munique instala durante o mês de agosto, verão na Europa, uma onda artificial de 1,5 metro de altura para quem quiser praticar (de graça) suas habilidades sobre a prancha, independentemente do nível de experiência. O evento também inclui um campeonato de surfistas profissionais, caso se prefira observar à distância, e um acampamento para crianças que queiram começar a pegar uma onda. Não é preciso ter equipamentos, tudo é fornecido pelo aeroporto.

Aeroporto de Munique

3. Cachorroterapia

LOS ANGELES

Como viajar ou ter que esperar durante horas o próximo voo pode ser estressante, o Aeroporto Internacional de Los Angeles (EUA) introduziu um programa para proporcionar alívio aos passageiros através da interação com animais de estimação. Dezenas de voluntários andam com seus cães nas portas de saída de cada terminal, oferecendo o carinho dos animais, bem como informações. Usam coletes vermelhos, por isso são fáceis de reconhecer. Já receberam um prêmio da prefeitura de Los Angeles pela iniciativa.

4. Massagens para voar tranquilo

PARIS

Depois de passar pelo controle de passaportes do terminal dois (o principal) do aeroporto Charles De Gaulle, em Paris, é possível observar quiosques azuis que convidam ao relaxamento. São as boutiques de massagem da Be Relax, que oferecem até 10 tipos diferentes de tratamento, de acordo com a necessidade do viajante, incluindo massagens com pedras quentes, depilação e manicure. O Charles De Gaulle foi o primeiro, mas a empresa já tem 40 espaços distribuídos em 12 aeroportos em oito países.

5. Peixinhos coloridos

VANCOUVER

O aeroporto de Vancouver (Canadá) é um dos mais movimentados da América do Norte. Desde 2007, possui dois aquários com mais de 5.000 peixes para os amantes da fauna marinha. Em seus mais de 100.000 litros de água, podemos encontrar, entre outras espécies, enguias lobo, anêmonas, estrelas do mar ou água-viva de todos os tipos. Se você estiver no terminal internacional, é difícil não ver o tanque principal.

6. Sim, eu quero!

AMSTERDÃ

Os aeroportos são lugares onde se vivem intensas cenas de amor, de reencontros e despedidas. E podem ser um grande cenário para propor um casamento. E também para se casar, se você estiver no Schiphol, em Amsterdã. Lá, qualquer casal pode celebrar suas bodas ao estilo aviador e não perder tempo em partir para a lua-de-mel. Inclusive dá para organizar a festa posterior num avião.

7. Das tacadas para a pista

HONG KONG

Hong Kong tem seu futurista aeroporto construído em uma de suas numerosas ilhas, com uma extensão suficiente para transformar parte do seu espaço em um centro de entretenimento que conta, por exemplo, com um cinema IMAX e com seu próprio campo de golfe, com nove buracos. Apesar de localizado entre pistas de aterrissagem, não deixa de exigir um determinado código de vestimenta e o cumprimento das normas de conduta do bom golfista. São sete buracos de par três e outros dois de par quatro, desenhados para propor desafios a jogadores com certa experiência, com terrenos ondulados, abundantes bunkers e lagos.

8. Tobogã e embarque

SINGAPURA

Changi, o aeroporto internacional de Singapura, há anos é considerado um dos melhores do mundo. Em suas gigantescas instalações podemos encontrar todo tipo de atrativos para não nos entediarmos durante a espera pelo voo. De piscina no telhado até um tremendo repertório de jardins, nos quais podemos conviver com borboletas ou perder a noção do tempo vendo os girassóis se moverem. Se tiver pressa para embarcar, talvez seja melhor pegar o tobogã de 12 metros, o maior de Singapura, no qual descerá quatro andares num piscar de olhos.

9. Uma coleção inquietante

ANCHORAGE

A cidade mais povoada do Alasca tem no seu aeroporto uma exposição de arte e elementos de sua cultura indígena. Mas, além disso, abriga uma coleção de animais empalhados, uma ode à taxidermia que inclui ursos, bisões, castores, lobos, águias e um longo etcétera. O urso polar, que se mostra de pé e desafiador sobre suas patas traseiras, é evidentemente o ponto de encontro usado por todos.

10. Artes ocultas

PORTO PRÍNCIPE

No Haiti ainda são muito comuns (ou isso contam aos turistas) os rituais ocultistas de vodu. Nas lojas do aeroporto de Porto Príncipe, os bonecos dessa religião afro-americana são uma das lembranças mais procuradas pelos turistas. Não sabemos se porque alguém lhes incomodou durante a viagem ou porque já estão pensando na pessoa que lhes incomodará na volta para casa. O vodu tem sua origem nas colônias francesas de escravos do século XVIII e exige um rigoroso código de conduta, afastado da desonra e da cobiça.

Air France dá brinquedos e oferece jogos para crianças a bordo

imagem_release_560580

A partir desta sexta-feira (18/12), a Air France entra no clima natalino e oferece brinquedos e jogos de tabuleiro da Barbie, HotWheels e personagens do filme Carros para crianças viajando desacompanhadas nos aeroportos Paris-Charles de Gaulle e Paris-Orly.

Os comissários da Air France também entregarão kits Bonpoint com cosméticos e brinquedos em todos os lounges Business do aeroporto Charles de Gaulle.

Além disso, os pequenos passageiros receberão exemplares das revistas da Bayard Jeunesse (Pomme d’Api, J’aime lire, Okapi, Adventure Box e Story Box). Dentro das aeronaves, as crianças também contam com jogos, cartões para colorir, cruzadinhas e outras brincadeiras.

Os jovens desbravadores que viajam sozinhos pelo programa KidsSolo, poderão falar com parentes em qualquer parte do mundo. A partir desta sexta-feira, a Air France irá oferecer wi-fi gratuito para menores desacompanhados nos lounges dos aeroportos parisienses, em parceria com a HubOne!

Para completar o clima de Natal, quem passar pelos terminais E e F do aeroporto Charles de Gaulle em 18 e 19 de dezembro poderá tirar foto com o Papai Noel, que estará distribuindo presentes, além do coral da Air France cantando músicas natalinas.

Todos os anos, 1,3 milhão de crianças viajam com a Air France, sendo 410 mil crianças desacompanhadas e 285 mil bebês.

TAM tem voos de Brasília para a Europa a partir de US$ 899

Imagem

Os brasilienses que planejam viajar para a Europa entre março e agosto podem aproveitar a promoção que a TAM Linhas Aéreas acaba de lançar. Até 16 de fevereiro, a companhia oferece passagens de ida e volta para diversos destinos no continente europeu, com saída de Brasília, a preços bem atraentes. Também há ofertas para voos que partem de outras cidades brasileiras.

Bilhetes para Frankfurt, na Alemanha, e Londres, na Inglaterra estão disponíveis por preços a partir de R$ 2169 (US$ 899). Já Milão, na Itália, e Paris, na França, saem a partir de R$ 2.410 (US$ 999) e R$ 2.290 (US$ 949) respectivamente. Para essa promoção, os clientes também podem utilizar pontos do TAM Fidelidade para comprar os bilhetes. Os destinos saem a partir de 70 mil pontos.

Válidas para viagens na Classe Econômica, as ofertas já estão disponíveis no site http://www.tam.com.br. Os bilhetes também podem ser adquiridos em outros canais de venda da companhia, como agências de viagens, lojas da TAM Viagens e Central de Vendas, Fidelidade e Serviços (4002-5700 para as capitais, ou 0300 570 5700 para o restante do Brasil). Esse valor pode ser parcelado em até seis vezes sem juros em qualquer cartão de crédito aceito pela TAM. No Itaucard, a compra pode ser dividida em até 10 vezes.

Confira algumas oportunidades:

 

Roteiro para ficar por dentro traços de Niemeyer no Brasil e na Europa

Ataíde de Almeida Jr., do Correio Braziliense

“Se a reta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o concreto buscar o infinito.” A frase de Oscar Niemeyer ficou marcada nas diversas obras arquitetônicas que deixou como herança em vários lugares do mundo. Mas não são apenas as fachadas dos prédios que chamam a atenção. Esses locais oferecem atrações imperdíveis no interior, seja em Belo Horizonte, Niterói oto), Espanha, Itália etc. O Turismo preparou um roteiro para que você fique, literalmente, por dentro da genialidade do arquiteto:

BH, Diamantina, Ouro Preto e Cataguases

“E tudo começou quando iniciei os estudos de Pampulha (foto abaixo) — minha primeira fase —, desprezando deliberadamente o ângulo reto tão louvado e a arquitetura racionalista feita de régua e esquadro, para penetrar corajosamente nesse mundo de curvas e formas novas que o concreto armado oferece”, reconheceu Oscar Niemeyer em sua autobiografia As curvas do tempo. O início da nova etapa era nada mais que um protesto à arquitetura marcada pelas linhas retas, monótonas e repetidas, como ele mesmo definiu. Depois do conjunto arquitetônico em Belo Horizonte, seu traçado se tornou predominantemente curvilínio e nunca mais foi o mesmo.

Niemeyer - Pampulha
Antes de descobrir sua verdadeira vocação, o arquiteto percebeu que poderia dar um toque modernista às cidades históricas de Minas Gerais. Quem visita as antigas igrejas de Ouro Preto poderá conferir e se hospedar no Grande Hotel de Ouro Preto, construído em 1940. Apesar de ter passado por algumas modificações — que não agradaram Niemeyer —, o prédio mantém suas características construtivas que, de longe, se diferenciam dos casarios coloniais do século 18.

Rio de Janeiro e São Paulo

Com quase 80 anos de trabalho, o arquiteto mais conhecido do Brasil deixou marca em várias cidades. Uma delas é a capital carioca, com diversos edifícios projetados por Niemeyer, principalmente no começo da carreira, entre elas a Passarela do Samba, um dos principais cartões-postais, e a casa onde morou, na beira da Floresta da Tijuca. São Paulo não fica de fora. A metrópole também abriga os característicos prédios modernistas, com destaque para os do Parque Ibirapuera. Outras construções estão espalhadas pelo Norte, Nordeste e Sul do país. Que tal incluir algumas dessas obras no seu próximo roteiro de viagem?

#Obras de Oscar Niemeyer no Rio de Janeiro
Entre todos os lugares que abrigam as obras do arquiteto mais famoso do Brasil, não poderia faltar sua cidade natal. Foi no Rio, também, que Niemeyer concluiu sua graduação pela Escola Nacional de Belas Artes, em 1934. Três anos depois, projetou a Obra do Berço (uma instituição de caridade sem fins lucrativos), no bairro da Lagoa, que foi seu primeiro trabalho de impacto, oferecido gratuitamente, e é um dos bens tombados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro (INEPAC-RJ).

Região Sul e Nordeste

Para quem viaja de ônibus (e principalmente para quem vê de cima do avião), é difícil não prestar atenção no suntuoso Terminal Rodoviário de Londrina, no Paraná. Apesar das modificações que sofreu, razão pela qual Niemeyer não assinou o projeto, ainda tem “a cara” do arquiteto. A construção é feita toda de zinco (sendo que originalmente deveria ser de concreto) e em formato circular. No centro possui uma abertura e um jardim.

Crédito: Kadu Niemeyer/Divulgação. Museu Oscar Niemeyer em Curitiba.
Descendo até Curitiba, no Paraná, fica o Museu Oscar Niemeyer (MON), que completou 10 anos de atividade. São 12 salas que recebem diversas mostras nacionais e internacionais, além do acervo permanente, que conta com o pátio de esculturas, exibindo artistas como Erbo Stenzel, Amélia Toledo, Ângelo Venosa, Bruno Giorgi, Emanoel Araújo, Marcos Coelho Benjamin, Sérvulo Esmeraldo, Tomie Ohtake e, claro, Niemeyer. O MON tem o formato parecido com um olho.

Espanha e França

“Quando fui à Europa pela primeira vez, fui de navio. Eu ia daqui para a França, então no meio da viagem estourou o golpe. A polícia, como tinha que ser, invadiu meu escritório, o meu apartamento, se divertiram. Quando cheguei à Europa, o André Malraux (ministro da Cultura da França) compreendeu essa mudança. Ele arranjou com De Gaulle um decreto para eu poder ficar na França como arquiteto francês”, lembra Oscar Niemeyer em entrevista dada ao Correio no ano passado.

Niemeyer - Espanha
E foi durante esse tempo, longe da ditadura militar, que o gênio dos traços que ganharam o mundo deu vida a várias obras na Europa. Uma das mais conhecidas, e que pode ser vista em Paris, é a sede do Partido Comunista Francês. O conjunto arquitetônico, um prédio de aço e vidro e a sala de congressos de forma abobadada, foi concluído no início da década de 1970.

A reportagem completa está publicada na edição de 12 de dezembro de 2012 do caderno de Turismo do Correio Braziliense

As monumentais Paris e Brasília em exposição

Nahima Maciel, do Correio Braziliense

Foi no Facebook que João Campello se descobriu fotógrafo. Na verdade, foi descoberto. Uma foto postada em novembro de 2011 quase congestionou a página. De repente, Campello contava com 1.995 amigos, mas nunca ouvira falar nem da metade. A pressão foi tanta que postou mais fotos, todas de Brasília, e acabou por aceitar o desafio de montar uma exposição sugerido por alguns amigos. O resultado fica exposto até setembro no Espaço Cultural Alexandre Innecco e revela um olhar amoroso para a cidade adotada pelo fotógrafo.

Campello nasceu em Salvador, mas cresceu em Brasília. Chegou à capital aos 7 anos e fez da paisagem de concreto sua referência. É tão fanático pela cidade que, quando foi conhecer Paris, enfiou na cabeça que não ia gostar só para contrariar os amigos. Afinal, nada poderia superar Brasília. “Todo mundo falava que eu ia me apaixonar. Fui pensando o contrário. Até tentei me conter, mas não deu. É uma cidade fantástica”, admite. Por isso ele colocou a capital francesa na mira dos interesses fotográficos e danou-se a registrá-la. O paralelo entre as duas entrou para o portfólio e Paris divide com Brasília o espaço da exposição. São 11 imagens rotativas: ao longo do mês, as fotografias serão trocadas e renovadas.

Local: Espaço Cultural Alexandre Innecco – SCLN 116 Bloco A
Data: Segunda, das 19h às 21h. Terça, das 10h às 12h. Quarta, das 12h às 14h e das 19h às 21h
Preço meia: Entrada franca
De: 10/07/2012
Até: 7/11/2012

Seguindo os passos de Van Gogh

Eliane Moreira (texto) e Renato Alves (fotos)

“Auvers é muito bonita… verdade, é realmente bonita (…)”. Com essas palavras, o pintor holandês Vincent Van Gogh definiu a pequena cidade francesa Auvers-sur-Oise.

Distante apenas30 kmde Paris, Auvers continua encantando quem chega à cidade, na maioria turistas interessados em conhecer o lugar onde um dos maiores nomes da pintura holandesa passou seus últimos meses de vida.

A pousada em que o pintor morou, Auberge Ravoux, hoje é conhecida como a casa de Van Gogh (Maison de Van Gogh), e abriga um pequeno museu. Sua principal atração, o quarto que ocupou, reflete a simplicidade de um artista que só teve seu talento reconhecido tardiamente.

O ingresso inclui a exibição de um pequeno filme que conta a passagem de Van Gogh pela cidade, baseado nas correspondências enviadas a seu irmão.

Quando for ao museu, não deixe de visitar o restaurante, no térreo. Depois de uma minuciosa restauração, mobílias, luminárias e prateleiras remetem ao tempo em que VanGogh fazia ali suas refeições.

Uma curiosidade: em frente ao restaurante, na calçada, uma mesa com uma garrafa de vinho e dois copos está permanentemente posta para fotos. É só sentar e fotografar!

O curto período em que viveu em Auvers foi de intensa inspiração e produção para Van Gogh. Por isso, além do museu, torna-se obrigatório seguir seus passos pela cidade, identificando paisagens e construções retratadas pelo artista.

Para ajudar nessa tarefa, placas reproduzem as pinturas em frente aos locais que as inspiraram, como no caso da igreja em estilo gótico/românico, imortalizada em uma de suas telas.

Ainda em Auvers-sur-Oise que, em julho de 1890, Van Gogh atirou contra o próprio peito, morrendo dois dias depois. Seu corpo está enterrado no cemitério local, ao lado do túmulo de seu irmão Théo, mais uma das atrações turísticas da cidade.

Outras atrações

Se não bastasse o legado deixado por Van Gogh, Auvers ainda tem outras atrações encantadoras. É o caso do sebo montado em uma estação e um trem aposentados. De vagão, em vagão, prateleiras de livros, na maioria usados, escondem e revelam obras já amareladas pelo tempo.

E já que estamos falando da França, que tal fechar o dia com um piquenique às margens do rio Oise, que dá nome à cidade?

COMO CHEGAR

De carro: pegue a rodovia A15 em direção a Cergy-Pontoise, e então a A115 para Beauvais-Amiens. Saia em Méry/Auvers-sur-Oise.

De trem (RER): partindo da Gare du Nord ou da Gare St-Lazare, em Paris, pegue a linha para Pontoise. Lá, troque para a linha Persan-Beaumont. Desça na estação de Auvers-sur-Oise. É recomendável comprar o bilhete de volta ainda em Paris, já que não há bilheteria em Auvers. Do primeiro sábado de abril ao último domingo de outubro, há trem direto partindo da Gare du Nord, sábado, domingo e feriado. Partida às 9h56 (chegando a Auvers às 10h28) e retorno às 18h15 (chegando a Gare du Nord às 18h48).

Museu Maison de Van Gogh

Aberto de março a outubro, das 10h às 18h (fecha às segundas e terças-feiras). Ingresso: 6 euros