As atrações da histórica Pilar de Goiás

 

Pilar de Goias sinos 1.jpg
Sinos da igreja de Nossa Senhora do Pilar – Foto de Renato Alves

Os tesouros históricos de Goiás vão além de Pirenópolis e Goiás Velho. A 320km de Brasília, Pilar tem o conjunto arquitetônico e paisagístico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1954. São duas igrejas e mais de 20 casarões centenários. Alguns exibem elementos únicos na arquitetura brasileira, mas permanecem a maior parte do tempo fechado, por falta de morador e de visitante. Outros tantos ameaçam desabar por ausência de manutenção.

pilar de goias 2Entre serras paralelas, Pilar teve como fundadores escravos, que criaram o Quilombo de Papuã. Eles descobriram o ouro, responsável, em grande parte, pela fundação do município, em 1741. No auge da mineração, Pilar chegou a abrigar 15 mil pessoas, ainda no século 18. Com o fim da atividade, a população caiu para 1,5 mil moradores. A decadência aumentou na Revolução de 1932, quando homens deixaram a localidade para combater o movimento paulista que visava derrubar o governo provisório de Getúlio Vargas.

pilar de goias 1
Rua de Pilar de Goiás – Foto de Renato Alves

Andar pelas poucas e estreitas ruas de Pilar, hoje com 2,7 mil habitantes, é como se sentir em uma cidade-fantasma. Quase não se vê carro nem gente nas vias, calçadas e praças. A maioria dos trabalhadores passa o dia na lavoura. Como quase todos os moradores fazem as refeições em casa, não há restaurante. As opções para comer e beber se restringem a uma dezena de botequins. Excelentes para quem aprecia bebidas e quitutes típicos do interior goiano, como cachaça, empada e pastel, com preços irrisórios e gente contadora de causos. As lojas funcionam como os antigos armazéns de secos e molhados, com as compras anotadas em caderninhos dos clientes, no fiado.

 

pilar de goias sinos
Sinos da igreja de Nossa Senhora do Pilar – Foto de Renato Alves

Chafariz

 

Percorre-se todas as atrações históricas de Pilar a pé, com destaque para a Casa da Princesa e as igrejas de Nossa Senhora do Pilar (a matriz) e de Nossa Senhora das Mercês. Ao lado da matriz, em um campanário, estão os três maiores sinos feitos para um templo em Goiás.Fabricados em 1785, pesam, em média, 900kg.

Ao pé deles fica o Chafariz São José, de 1745, que ainda sacia a sede com água pura. Erguida pela irmandade dos pardos, a Mercês é uma das três igrejas mais importantes do período no país, a única que guarda maior originalidade e integridade.

Construída entre 1783 e 1824 pelos escravos, a igreja tem estilo colonial, com talha barroca no altar-mor em madeira, assim como um púlpito e coro também em madeira. A torre sineira lateral com escada exterior é típica das igrejas menores do período em Minas Gerais.

Casa da Princesa

pilar de goias casa da princesa
Fachada da Casa da Princesa – Foto de Renato Alves

O prédio que abriga o museu de Pilar é um dos últimos no país a preservar janelas de gelosia, estilo árabe trazido pelos portugueses. Considerada a construção mais luxuosa do ciclo do ouro em Goiás, o interior do casarão impressiona pelas pinturas de portas e tetos em gamela. É a mais importante obra arquitetônica não religiosa do barroco do século 18 de Goiás. Conhecido como Casa da Princesa, nele morou a Princesa Isabel por dois semestres, no apogeu da mineração, quando Pilar tinha a maior produção aurífera goiana.

pilar de goias
Casarão abandonado em Pilar de Goiás – Foto de Renato Alves

Em 10 anos, Pilar produziu o equivalente a todo o ouro extraído de toda a província de Goiás produziu em um século. Razão pela qual a administração provincial se transferia para ela por seis meses do ano.

Sede da Secretaria de Cultura, a Casa de Câmara e Cadeia da cidade é a menor do tipo no Brasil. Nesses espaços, no Brasil Colônia, funcionavam os órgãos da administração pública municipal. Abrigava ainda a cadeia, onde acusados eram julgados e, se condenados, levados presos. Em condições muito precárias eles morriam doentes ou enforcados. Inúmeros escravos morreram na forca erguida ao redor da Igreja Nossa Senhora das Mercês, em uma colina. Em outro extremo da cidade fica a Prainha da Limeira, antiga lavanderia de roupa das escravas.

Anúncios

O essencial da Grécia

lighted buildings nighttime
Foto por jimmy teoh em Pexels.com

O leitor Luiz Otávio Borges de Moura, que acabou de chegar da Grécia, gostou tanto da experiência que decidiu compartilhar a experiência. Ele enviou dicas preciosas para uma viagem ao país, em um roteiro que inclui as três mais famosas cidades.

Quando ir?

Os melhores meses são junho e setembro, com temperaturas amenas e sem os preços da alta temporada (voo e hotel) de julho e agosto.

Atenas

Ficamos no Titania Hotel, com bom custo benefício (confortável e preço mediano) e ótima localização. Fizemos tudo a pé. Os lugares ficavam no máximo a 3km. Quando se vai familiarizando com o lugar, nem se sente a caminhada.

Como quase tudo é a céu aberto, para os meses mais quentes recomendo roupas leves e confortáveis e muito filtro solar!!!

stonewall palace
Foto por Josiah Lewis em Pexels.com

Atenas não era o nosso foco principal da viagem (queríamos praia e lugares bonitos para descansar), mas como chegaríamos por lá, resolvemos ficar duas noites. Valeu a pena! Como os dias de verão são muito longos (a noite escurecia só lá pelas 21h), tivemos tempo para visitar os principais locais: Complexo da Acrópole (Parthenon, Odeão de Herodes, Erecteion, Teatro de Dionísio etc.). Na bilheteria da Acrópole, sugiro comprar logo o ingresso com direito a todas as atrações, pois, a medida que se vai caminhando, caso se queira entrar em uma atração (Ágora, Templo de Zeus, Templo de Hefesto, Biblioteca de Adriano…), já está com o ingresso às mãos.

photography of the ruins
Foto por Josiah Lewis em Pexels.com

Vale a pena visitar: Museu da Acrópole, Plaka (bairro bem legal, com bares e restaurantes), Monastiraki (praça, mercado de pulgas, suvenir), Praça Syntagma e Parlamento Grego. Achei bem interessante também caminhar pelo parque próximo ao hotel (National Garden, Εθνικός Κήπος). Atrás desse parque, fica um bairro bem legal onde está situado o Palácio Presidencial e várias embaixadas. No final dessa rua, está o Estádio Panatenaico (sede das primeiras olimpíadas da era moderna).

Almoçamos e jantamos sempre em Plaka. Difícil errar em restaurante. Muitas opções e culinária muito gostosa. Pratos geralmente em torno de 10 a 15 euros.

Se tivesse mais tempo, ficaria um dia a mais em Atenas. Teria mais calma para algumas visitas. Não conseguimos ir ao Monte Licabeto (com uma vista legal da cidade).

Mikonos

Fomos para Mikonos de barco. Várias empresas fazem o traslado. Comprei pela SeaJets, por recomendação de uma blogueira. Achei simples comprar online e para pegar a passagem basta  chegar com uma hora de antecedência da saída do barco. Se for em alta temporada, recomendo comprar online com antecedência. Vale a pena também já combinar com o hotel um carro para te buscar no porto (fizemos isso), pois não vi muitas opções de transporte ao chegar.

Ficamos no Vencia Boutique Hotel, o qual recomendo de olhos fechados. Bem localizado, bom restaurante, confortável e com atendimento nota 10. Ficamos três noites, mas recomendo quatro. Mikonos tem muita coisa para fazer.

Quase não existe táxi na ilha, mesmo assim, decidimos não alugar carro ou quadriciclo em Mikonos e funcionou bem. Na cidade, pode-se fazer tudo a pé. Para as praias, fomos de ônibus. Achei bem tranquilo, só pegar os horários no próprio hotel. Só tem que ficar atento porque na praia Eliá, por exemplo, só tem ônibus até as 20h. Em outras praias mais agitadas (com Beach Clubs), tem ônibus até 1h.

Melhores praias: Eliá, Paradise, Super Paradise e Paraga Beach (Scorpios).

O hotel fica no meio de Mikonos Town, cidade muito animada, com várias opções de restaurantes e lugares estilo mais “balada”. Tem muita opção mesmo. Gostamos de um restaurante chamado Avra. Na média, os pratos nos restaurantes variam de 15 a 25 euros.

barcelona beach beautiful blur
Foto por Fancycrave.com em Pexels.com

A cidade é literalmente um labirinto, é impossível não se perder (dica: se perca!). Então é importante marcar um ponto de referência para sempre perguntar por ele e saber voltar para o caminho que se quer.

sweet desserts
Foto por David Mackey em Pexels.com

Sugiro visitar Little Venice e o Kastro’s Restaurant, que tem uma varanda muito legal pra fotos.

Santorini

Também fomos para Santorini de barco pela SeaJets. Ao contrário de Mikonos, quando se chega ao porto há várias opções de empresas que oferecem traslado.

architecture building cliffs dawn
Foto por Pixabay em Pexels.com

Ficamos no hotel Lilium Villas, na cidade de Fira. Quando estava pesquisando sobre Santorini, fiquei muito em dúvida entre ficar em Fira ou Oia (fala-se Ia), outra cidade principal da ilha. Decidi ficar em Fira por ser a capital, mas acabei achando a cidade de Oia mais charmosa (não pode deixar de conhecer). Não cheguei a me arrepender da escolha, afinal o hotel tem ótima estrutura, uma vista de tirar o chapéu e Fira é bem legal também e mais bem localizada (mais centralizada na ilha).

photo of santorini greece
Foto por jimmy teoh em Pexels.com

Em Santorini, o transporte público é inexistente, então é recomendável alugar um carro ou um ATV (quadriciclo). Acabei pegando um ATV pela emoção e é literalmente isso que se sente quando vai para as estradas sinuosas e com ribanceiras altas da ilha. Achei as estradas muito pouco sinalizadas (tive que parar algumas vezes para pedir informação), mas como Santorini é pequena, a chance de se perder é mínima.

white signage beside purple bougainvillea beside body of water
Foto por Gotta Be Worth It em Pexels.com

As vistas da ilha são muito bonitas, com paisagens de cinema. A água é limpíssima, mas as margens não são de areia, são de pedras escuras (afinal, a ilha é vulcânica). As estruturas de apoio das praias são honestas (dá para beber e comer tranquilamente), mas não chega nem perto das amenidades de Mikonos. Conhecemos as praias Perissa e Kamari (as que mais gostei pela pesquisa).

aerial photo of white buildings near a bay
Foto por Nextvoyage em Pexels.com

Também fizemos um passeio de barco que sai às 15h e volta às 20h (com direito a jantar e pôr do sol) e vai parando para mergulho e em alguns lugares turísticos da ilha (Red Beach, White Beach, Farol, casa do Ermitão etc.). Valeu muito a pena. A empresa se chama Spiridakos.

people walking near body of water
Foto por jimmy teoh em Pexels.com

Por fim, para quem gosta de vinho, vale reservar uma tarde para conhecer uma vinícola. Existem várias na ilha. Como essa não era a prioridade do nosso roteiro, passei bem rápido na Santo Wines só para conhecer. Não fiz a visita guiada, nem degustação. A funcionária do hotel disse que essa é boa, mas é muito comercial (turística). Segundo ela, há outras vinícolas menores que valem mais a pena visitar (aí tem que pegar essas dicas com os locais!).

selective focus photography of green grass near beach
Foto por Julia Sakelli em Pexels.com

Cidade do México: dois hotéis e um motorista para chamar de seu

 

IMG_5467.JPG

Eliane Moreira

Nos sete dias que passamos na Cidade do México, nos hospedamos em dois hotéis, ambos na região central, próximos ao Zócalo. Embora a população da capital mexicana ultrapasse 20 milhões de habitantes e o país tenha um histórico de violência por causa das guerras entre os narcotraficantes, a área central, assim como toda a cidade, é bem policiada e segura. Por isso, fica a dica de dois bons hotéis:

Hotel Histórico Central

Localizado a poucas quadras do Zócalo, o Hotel Histórico Central tem ambientes requintados e quartos limpos e confortáveis, a preços inferiores aos de sua categoria. Oferece café da manhã completo, com boa variedade de pães, frutas e acompanhamentos, além de pratos típicos da culinária mexicana.

Hotel Histórico Central2.png

No saguão, garrafinhas de água mineral e maçãs são permanentemente disponibilizadas aos hóspedes, de graça. Há uma cafeteria na recepção, com poucas opções para um lanche no final do dia, o que não chega a ser um problema dado o grande número de restaurantes e lanchonetes no entorno.

IMG_5283.JPG

O Histórico Central ainda viabiliza passeios com motoristas particulares com ótimos carros a preços fixos e condizentes com os valores cobrados em média.

Hotel Histórico Central1.png

Hotel Fiesta Inn Centro Histórico

O hotel ocupa alguns andares de um prédio comercial, em frente ao Parque Alameda e muito próximo ao Palácio Bellas Artes. No térreo, funcionam algumas lojas e lanchonetes como McDonalds, Subway e Starbucks.

Apesar dessa movimentação, os quartos são silenciosos e o acesso aos andares dos apartamentos só é permitido aos hóspedes do hotel. Quartos confortáveis e grandes, o café da manhã é cobrado a parte.

De forma geral, o Fiesta Inn não é tão aconchegante quanto o Histórico Central, mas oferece um bom custo-benefício.

Continuar lendo “Cidade do México: dois hotéis e um motorista para chamar de seu”

Museu Frida Kahlo e Museu Leon Trotsky

IMG_6064.JPG

Eliane Moreira (texto) e Renato Alves (fotos)

Quem passeia pelas ruas residenciais do pitoresco bairro de Coyoacán, na Cidade do México, não desconfia que no passado o bairro serviu de endereço para dois ilustres moradores: a pintora mexicana Frida Khalo e o revolucionário russo Leon Trótski.

IMG_6037.JPG

Dona de uma biografia marcante, Frida quebrou tabus por suas ideias e comportamento, e, apesar de ter vivido em um país considerado machista, despontou como ícone feminista mundo a fora. Hoje seu rosto está em todo tipo de souvenir, em bolsas, roupas e até em editoriais de moda.

Continuar lendo “Museu Frida Kahlo e Museu Leon Trotsky”

Teotihuacan, a Cidade dos Deuses

IMG_5575.JPG

Eliane Moreira (texto) e Renato Alves (fotos)

A 40 km da Cidade do México, encontra-se um dos sítios arqueológicos mais visitados no país. Teotihuacan, a Cidade dos Deuses, encanta os turistas pelas imponentes pirâmides do Sol e da Lua.

IMG_5529.JPG

Muitos são os mistérios sobre as origens de Teotihuacan. Patrimônio Mundial desde 1987, ao contrário do que muitos pensam, não foram os astecas que ergueram Teotihuacan, mas uma comunidade de povos de várias etnias.

IMG_5549.JPG

Fato é que uma visita a Teotihuacan descortina uma incrível volta ao passado e à uma cultura politeísta, que cultuava elementos da natureza e animais como divindades e, ao mesmo tempo, construiu uma cidade de moderno plano urbanístico.

IMG_5531.JPG

Além das gigantescas pirâmides, Teotihuacan era cortada por uma avenida de 3 km, a Avenida dos Mortos, e várias construções que revelam uma sociedade organizada e estratificada.

Continuar lendo “Teotihuacan, a Cidade dos Deuses”

Cidade do México, comece pelo Zócalo

IMG_5158.JPG

Eliane Moreira (texto) e Renato Alves (fotos)

Quem nunca voltou de uma viagem com a sensação de que muitos pontos turísticos ficaram de fora do roteiro porque não deu tempo de visitar tudo? Essa sensação pode ser muito, muito intensa quando se visita a Cidade do México.

IMG_5169.JPG

Com um país construído por civilizações maias e astecas, famosos revolucionários como Pancho Villa e Zapata, personagens que viraram ícones mundiais como a pintora Frida Khalo, além de uma culinária peculiar e apreciadíssima, atrações para todos os gostos é o que não falta à capital mexicana.

Continuar lendo “Cidade do México, comece pelo Zócalo”

Um tour pelas obras art déco de Goiânia

 

 

Fachada do Teatro Goiânia

Assim como Brasília, Goiânia é uma cidade planejada e símbolo de modernidade. Mas a capital goiana surgiu três décadas antes da nova capital do Brasil. E, para deixar uma marca, os construtores da cidade distante 210km do Distrito Federal escolherem o art déco para definir a fisionomia dos primeiros prédios daquela que viria a ser a primeira metrópole do Centro-Oeste, hoje com quase 1,5 milhão de habitantes.

Teatro GoiâniaNo entanto, essa riqueza é desconhecida da maioria dos brasileiros, inclusive dos goianienses. Para resgatá-la, o artista plástico e guia turístico Gutto Lemes criou um roteiro dos principais prédios e monumentos com traços do estilo da época da inauguração de Goiânia. Ele acompanha grupos, com direito a aula de história e arquitetura dos anos 1930. O passeio pode ser feito de carro, van, ônibus, bicicleta e até a pé.

Lemes ressalta que, do ponto de vista arquitetônico, Goiânia foi a primeira cidade moderna do Brasil. “A cidade tem uma importância muito grande para o estilo art déco, maior até que Miami, já que a cidade dos Estados Unidos não foi construída, como aqui, durante o período do art déco”, garante. Ele não está exagerando, apesar de Miami ter o maior acervo art déco do mundo, que é um roteiro turístico, atraindo visitantes o ano todo.

Nascido das artes decorativas, o art déco ficou conhecido em 1925, na feira mundial realizada em Paris, a Arts Décoratifs et Industriels. Na década de 1930, o estilo começou a ganhar um aspecto mais suave aproximando-se da morfologia modernista. Para o déco, o que se desejava de efeito visual não necessariamente haveria de almejar o emprego de racionalidade, o que justificava o emprego de ordens ornamentais e até a limpeza visual, a exemplo dos edifícios do Roquefeller Center, nos EUA, onde o déco fez grande sucesso.

Estação ferroviária de Goiânia.jpeg

Portanto, não havia melhor estilo para os construtores de Goiânia escolherem para definir a fisionomia dos primeiros prédios da cidade planejada para substituir Goiás, ou Goiás Velho, a primeira capital do estado. Afinal, o art déco representava o que de mais moderno havia na arquitetura da época. A capital goiana ainda abriga uma importante herança art déco em suas ruas, avenidas, praças e até parques. É o mais representativo acervo art déco do Brasil.

Palacio das EsmeraldasTombamento

Goiânia tem 22 edificações em art decó tombados pelo Instituto Nacional do Patrimônio Artístico Nacional (Iphan). A Praça Cívica, onde fica a administração do estado, concentra a maioria dos prédios art decó da cidade. São 11, incluindo o Palácio das Esmeraldas (foto ao lado), sede do governo estadual. Perto dali, ficam o Lyceu de Goiânia e a Estação Ferroviária. Ambos, porém, alvos constantes de vandalismo, por causa do abandono, apesar do tombamento.

Gutto Lemes dedica-se à divulgação desse patrimônio desde 2004, quando montou a sua primeira exposição de desenhos dos prédios ícones dessa arte na cidade — obras de sua autoria. “Eu já pintava e desenhava, mas decidi estudar turismo. Ao fim do curso, uni tudo, criando o city tour”, conta ele, que realiza os passeios guiados há cerca de um ano. Ele dura, em média, três horas e meia, com parada em três museus no estilo art decó.

Trampolim de Goiânia.png

Para conscientizar o goianiense da importância de se preservar o conjunto urbano da cidade, Lemes, que nasceu em Morrinhos (GO) mas mudou-se para a capital do estado com um ano, ainda ajudou a criar a Sociedade Art Déco de Goiânia. Ela é formada por um grupo de arquitetos, artistas, empresários e pessoas ligadas ao turismo. A iniciativa mais recente do grupo foi a participação, em 2016, no III Concurso de Fotografia AdbA — sigla de uma associação argentina que promove a arquitetura Art Déco no país vizinho. 

Programe-se

City tour em Goiânia

O passeio guiado pode ser feito de carro, van, ônibus, de bicicleta e até a pé. O modelo de transporte e o preço depende do tamanho e do interesse do grupo. Ele tem que ser agendado direto com o guia e artista plástico Gutto Lemes:  (62) 99943 3338 / 62 99823 1164 / guttolemes@hotmail.com

O QUE VER

Confira as principais construções art déco de Goiânia e seus endereços:

Na Avenida Goiás: Grande Hotel e Torre do Relógio

Na Praça Cívica: Coreto, Agência de Cultura, Delegacia de Administração, Museu Zoroastro Artiaga, Palácio das Esmeraldas, Procuradoria-Geral do Estado e Tribunal Regional Eleitoral

No restante do Centro: Estação Ferroviária, Praça do Trabalhador; Fórum e Tribunal de Justiça; Instituto Federal de Goiás (antigo Cefet), Rua 66; Lyceu de Goiânia, Rua 21; Museu Casa Pedro Ludovico, Rua 26; Teatro Goiânia, Avenida Tocantins

No bairro Campinas e Setor Oeste: Subprefeitura, Praça Joaquim Lúcio; Palace Hotel, Avenida 24 de outubro; Trampolim e mureta do Lago das Rosas

MEMÓRIA

Homenagem à Revolução de 30

Goiânia foi planejada e construída para ser a capital de Goiás, por iniciativa do político goiano Pedro Ludovico Teixeira, em consonância com a Marcha para o Oeste – estratégia desenvolvida no fim dos anos 1930, pelo governo de Getúlio Vargas, para acelerar o desenvolvimento e incentivar a ocupação do Centro-Oeste.

Em 24 de outubro de 1933, em local escolhido por Corrêa Lima, — um planalto onde atualmente se encontra o Palácio das Esmeraldas, na Praça Cívica —, Pedro Ludovico lançou a pedra fundamental de Goiânia. A data homenageava os três anos do início da Revolução de 1930.

O município começou a ter suas atividades executadas em novembro de 1935. No mês seguinte, Ludovico enviou o decreto que estabeleceu a transferência da Casa Militar, da Secretaria Geral e da Secretaria do Governo da cidade de Goiás para Goiânia. Nos meses posteriores, outras secretarias foram transferidas e essas ações reafirmavam ainda mais a mudança da capital.

Em 23 de março de 1937, o decreto de número 1.816 oficializava definitivamente a transferência da capital da cidade de Goiás para Goiânia. Mas o evento oficial que sacramentou a transferência da capital aconteceu só em 5 de julho de 1942, no Cine-Teatro Goiânia, um dos mais importantes patrimônios arquitetônicos da construção da nova capital.